Foi o próprio Deus quem suscitou e engendrou a agapê e o erôs. Foi Ele próprio quem conduziu para o exterior, ou seja, para as suas criaturas, este amor que está nele. É por isso que está dito: «Deus é amor (agapê)» (1Jo 4,16), e também: «Ele é suavidade e desejo» (Cant 5,16,LXX), ou seja, erôs. Ele próprio é o Amado e Aquele que é verdadeiramente amável. Por isso, está dito que o erôs amoroso se expande dele e que Ele próprio, que engendrou o erôs, é verdadeiramente amável e amado, desejável e digno de ser escolhido: Ele põe em movimento os seres que velam por isso. Aqueles para os quais se orienta o poder do seu desejo desejam-no em igual medida. […]

O movimento amoroso do bem, que pré-existe no bem, que é simples, que se move por si mesmo e provém do bem, regressa ao seu lugar próprio, pois não tem fim nem princípio. Tal movimento significa o nosso impulso perpétuo para o divino e a nossa união com Ele. Pois a união amorosa com Deus eleva-se e situa-se acima de qualquer outra união.

São Máximo o Confessor (c. 580-662), monge, teólogo
Centúria sobre a teologia VII, nos. 87, 89
Fonte: Evangelho Cotidiano

Compartilhe isso:
 
 

Não há comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Arquivos