«Mulher, porque choras? Quem procuras?» No entanto, santos anjos, vós bem sabeis por Quem é que ela chora e a Quem procura. Porque lhe reavivais as lágrimas recordando-lhe a Sua memória? Mas Maria pode dar livre curso a toda sua dor e às suas lágrimas, porque a alegria de uma consolação inesperada se aproxima. «Ela virou-se e viu Jesus, de pé, mas não O reconheceu.» Cena cheia de encanto e bondade, onde Aquele que é desejado e procurado Se mostra e no entanto Se esconde. Esconde-Se para ser procurado com maior ardor, encontrado com maior alegria, retido com mais cuidado, até que seja introduzido na casa do amor, para aí permanecer (cf Ct 3, 4). Vede como a Sabedoria «brincava na superfície da Terra e deliciava-me com a humanidade» (Prov 8,31).

«Mulher, porque choras? Quem procuras?» Tens Aquele que procuras e não o sabes? Tens a verdadeira alegria eterna, e choras? Tens em ti Aquele que procuras fora de ti. Estás no exterior de um túmulo, a chorar, quando o Meu túmulo é o teu coração; Eu não estou morto, mas repouso aí, vivo para toda a eternidade. A tua alma é o Meu jardim. Tinhas razão em pensar que eu era o jardineiro. Novo Adão, cultivo o Meu paraíso e guardo-o. As tuas lágrimas, o teu amor e o teu desejo são obra Minha. Tens-Me em ti sem o saberes: é por isso que Me procuras fora de ti. Vou, por conseguinte, aparecer-te também aí, para te fazer entrar em ti mesma, para que encontres no interior Aquele que procuras fora de ti.

Homilia monástica anônima do século XIII
Meditação sobre a Paixão e a Ressurreição de Cristo, 38; PL 184, 766
Fonte: Evangelho Cotidiano

Compartilhe isso:
 
 

Não há comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Post a Comment