Ele é o cordeiro sem voz, o cordeiro degolado, Ele que nasceu de Maria, a graciosa ovelhinha. Ele é Aquele que foi tirado de seu rebanho para ser levado à morte, que foi morto ao cair da noite, que foi de noite amortalhado […], para ressuscitar de entre os mortos e para ressuscitar cada homem do fundo do seu túmulo.

Foi portanto levado à morte. E levado à morte onde? No coração de Jerusalém. Porquê? Porque tinha curado os coxos, purificado os leprosos, dado a ver a luz aos cegos e ressuscitado os mortos (Lc 7,22). Foi por isso que Ele sofreu. Está escrito na Lei e nos profetas: «Os que pagam o bem com o mal perseguem-me, porque procuro fazer o bem. E eu, como manso cordeiro conduzido ao matadouro, ignorei as maquinações contra mim» (Sl 37,21; cf Jr 11,19).

Porque cometeste este crime inominável? Desonraste Aquele que te tinha honrado, humilhaste Aquele que te tinha exaltado, renegaste Aquele que te tinha reconhecido, rejeitaste Aquele que te tinha chamado, mataste Aquele que te vivificava […]. Era preciso que Ele sofresse, mas não por tua intervenção. Era preciso que Ele fosse humilhado, mas sem que fosses tu a fazê-lo. Era preciso que Ele fosse julgado, mas não por ti. Era preciso que Ele fosse crucificado, mas não por tuas mãos. Eis as palavras que deverias ter gritado a Deus: «Senhor, se é preciso que teu Filho sofra, se é essa a tua vontade, que Ele sofra, mas não por minha intervenção».


Melitão de Sardes (?-c. 195)
Homilia pascal, 71-73

Compartilhe isso:
 
 

Não há comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Post a Comment