«Assim como trouxemos a imagem do homem da Terra, assim também levaremos a imagem do homem celeste; [porque] o primeiro homem, tirado da terra, é terreno; o segundo vem do Céu» (1Cor 15,49.47). Se assim agirmos, meus bem-amados, não morreremos no futuro. Mesmo que o nosso corpo se dissolva, viveremos em Cristo, conforme Ele afirma: «Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em Mim, mesmo que tenha morrido, viverá» (Jo 11,25). Estamos certos, segundo o testemunho do próprio Senhor, de que Abraão, Isaac, Jacob e todos os santos estão vivos. Porque é acerca deles que o Senhor diz: «Não é um Deus de mortos, mas de vivos, porque para Ele todos estão vivos». E o apóstolo Paulo afirma, falando de si próprio: «É que, para mim, viver é Cristo e morrer, um lucro. […] Tenho o desejo de partir e de estar com Cristo» (Fil 1,21.23). E declara ainda: «Estamos sempre confiantes e conscientes de que, permanecendo neste corpo, vivemos exilados, longe do Senhor, pois caminhamos pela fé e não pela visão» (2Cor 5,6-7). Eis aquilo em que acreditamos, irmãos bem-amados. Aliás, o apóstolo diz também: «Se nós temos esperança em Cristo apenas para esta vida, somos os mais miseráveis de todos os homens» (1Cor 15,19).

A vida neste mundo, como vedes, é igual para os animais, as feras, os pássaros, e para nós próprios, e pode até ser mais longa para eles. Mas o que é próprio do homem é o que Cristo nos deu pelo seu Espírito, que é a vida sem fim, sob condição de não voltarmos a pecar: «É que o salário do pecado é a morte; ao passo que o dom gratuito que vem de Deus é a vida eterna, em Cristo Jesus, Senhor nosso» (Rom 6,23).


São Paciano, bispo de Barcelona (?-c. 390)
Homilia sobre o batismo, 6-7; PL 13, 1093
Fonte: Evangelho Cotidiano

 
 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager