«A Deus nunca ninguém O viu. O Filho Unigênito, que é Deus e está no seio do Pai, foi Ele quem O deu a conhecer» (Jo 1,18). O divino é inexprimível e incompreensível. «Ninguém conhece o Filho senão o Pai, como ninguém conhece o Pai senão o Filho e aquele a quem o Filho O quiser revelar» (Mt 11,27), e também o Espírito Santo conhece aquilo que é de Deus. […] Mas, após este primeiro e bem-aventurado conhecimento divino, nunca mais ninguém conheceu a Deus, a não ser aquele a quem o próprio Deus Se revelou. […]

Contudo, Deus não nos deixou na total ignorância, pois todos temos, semeado por Ele, o conhecimento de que existe um Deus. A própria criação, pela sua coesão e a sua ordem, proclama a magnificência da natureza divina (cf Rom 1,20). Em seguida, a Lei e os profetas, e depois o seu Filho único, o Senhor, «o nosso Deus e Salvador Jesus Cristo» (2Pd 1,1), manifestaram-nos o conhecimento de Deus, segundo aquilo que podemos alcançar. É por isso que aceitamos, conhecemos e aplicamos a nossa devoção a tudo aquilo que nos foi transmitido pela Lei e pelos profetas, pelos apóstolos e pelos evangelistas, e não procuramos nada que esteja para além disso.

Deus é bom e provê a todo o bem. […] Dado que Ele sabe tudo e a provê ao que convém a cada um, revelou-nos aquilo que é útil para nós conhecermos e calou aquilo que não podemos comportar. Contentemo-nos com isso e nisso permaneçamos.


São João Damasceno (c. 675-749)
«A fé ortodoxa», I, 1
Fonte: Evangelho Cotidiano

 
 

Não há comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager