«Rejubila, Filha de Sião»; enche-te de alegria, Igreja de Deus; «Eis que o teu rei vem a ti» (Za 9, 9). Avança ao seu encontro, apressa-te a contemplar a sua glória. Eis aí a salvação do mundo: Deus dirige-se para a cruz, o Desejado das nações (Ag 2, 7) faz a sua entrada em Sião. A luz aproxima-se; gritemos com o povo: «Hosana ao Filho de David! Bendito seja o que vem em nome do Senhor». O Senhor Deus apareceu-nos, a nós que estávamos sentados nas trevas e na sombra da morte (Lc 1, 79). Ele apareceu, ele que é a ressurreição dos que caíram, a libertação dos cativos, a luz dos cegos, a consolação dos aflitos, o descanso dos fracos, a fonte para os sedentos, o vingador dos perseguidos, o resgate dos que estão perdidos, a união dos divididos, o médico dos doentes, a salvação dos transviados.

Ontem, Cristo ressuscitava Lázaro dos mortos; hoje, avança para a morte. Ontem arrancava Lázaro às faixas que o ligavam; hoje estende as mãos aos que o querem amarrar. Ontem, arrancava aquele homem às trevas; hoje, para os homens, ele mergulha nas trevas e na sombra da morte. E a Igreja está em festa. Começa a festa das festas, porque recebe o seu rei como um esposo, porque o seu rei está no meio dela.

Nota: *Santo Epifanio (+403) – Grande batalhador contra heresias. Natural da Palestina, homem culto, foi superior de uma comunidade monástica em Euleterópolis (Judéia) e depois Bispo de Salamina, na Ilha de Chipre, foi defensor da Virgindade Perpétua de Maria

De uma homilia atribuída a Santo Epifânio* de Salamina (? – 403), bispo
1ª homilia para a Festa dos Ramos
Fonte:
Evangelho Cotidiano

 

Tags: , ,

 

Não há comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager