«Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre. Donde me é dado que venha ter comigo a Mãe do meu Senhor?» Estas palavras: «Donde me é dado?» não são sinal de ignorância, como se Isabel, toda cheia do Espírito Santo, não soubesse que a Mãe do Senhor tinha ido até ela de acordo com a vontade de Deus. Eis o sentido das suas palavras: «Que fiz eu de bom? Que importância têm as minhas obras, para que a Mãe do Senhor venha ver-me? Serei uma santa? Que perfeição, que fidelidade me mereceram esta graça, a visita da Mãe do Senhor?» Pois «logo que chegou aos meus ouvidos a voz da tua saudação, o menino exultou de alegria no meu seio». Ele tinha sentido que o Senhor viera para santificar o seu servo ainda antes do seu nascimento.

Pode acontecer que os que não têm fé me chamem louco por eu acreditar nestes mistérios! […] Porque o que é considerado loucura por esses é para mim ocasião de salvação. Na verdade, se o nascimento do Salvador não tivesse sido celeste e bem-aventurado, se não tivesse sido divino e superior à natureza humana, nunca a sua doutrina teria chegado a toda a Terra. Se no seio de Maria houvesse apenas um homem e não o Filho de Deus, como teria sido possível que nesse tempo, e ainda hoje, fosse curada toda a espécie de doenças, não só do corpo mas também da alma? […] Se reunirmos tudo o que se diz acerca de Jesus, podemos constatar que tudo o que foi escrito a seu respeito é considerado divino e digno de admiração, porque o seu nascimento, a sua educação, o seu poder, a sua Paixão, a sua ressurreição não são apenas factos que ocorreram naquele tempo: eles agem em nós ainda hoje.


Orígenes (c. 185-253)
7.ª homilia sobre São Lucas
Fonte: Evangelho Cotidiano

 
 

Não há comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager