No monte Tabor, Jesus mostrou aos Seus discípulos uma maravilhosa manifestação divina, como que uma imagem pré-figurativa do Reino dos Céus. Foi exatamente como se lhes dissesse: «Em verdade vos digo, alguns dos que estão aqui presentes não hão de experimentar a morte, antes de terem visto chegar o Filho do Homem com o Seu Reino» (Mt 16,28). […] São estas as maravilhas divinas desta festa. […] Porque é ao mesmo tempo a morte e a festa de Cristo que nos une. A fim de penetrarmos nestes mistérios com os discípulos escolhidos, escutemos a voz divina e santa que, como que do alto […], nos convoca com urgência: «Vinde, gritai para a montanha do Senhor no dia do Senhor, para o lugar do Senhor e na casa do vosso Deus.» Escutai, para que, iluminados por esta visão, transformados, transportados […], invoqueis esta luz dizendo: «Que terrível é este lugar! Aqui é a casa de Deus, aqui é a porta do céu» (Gn 28,17).

Por conseguinte, é para a montanha que temos de ir, como Jesus fez, Ele que, lá como no céu, é o nosso guia e o nosso precursor. Com Ele brilharemos aos olhares espirituais, seremos renovados e divinizados na constituição da nossa alma; configurados à Sua imagem, seremos como Ele transfigurados – divinizados para sempre e transportados para as alturas. […]

Apressemo-nos portanto na confiança e na alegria, e penetremos na nuvem, como Moisés e Elias, como Tiago e João. Como Pedro, sejamos arrebatados por esta contemplação e esta manifestação divinas, sejamos magnificamente transformados, sejamos transportados para fora do mundo, elevados desta terra. Deixa a carne, deixa a criação e volta-te para o Criador a Quem Pedro dizia, deleitado, fora de si: «Mestre, é bom estarmos aqui.» Sim Pedro, é verdadeiramente bom estarmos aqui com Jesus, e estarmos aqui para sempre.

Anastácio do Sinai (?-depois de 700), monge
Homilia para a festa da Transfiguração 5
Fonte: Evangelho Cotidiano

Compartilhe isso:
 
 

Não há comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Post a Comment