Deus, comovido pela grande aflição do homem, deu-lhe a Lei e os profetas, depois de lhe ter dado a lei não escrita da natureza (cf Rm 1,26) […]; por fim entregou-Se a Si próprio para a vida do mundo. Deu-nos prodigamente os apóstolos, os evangelistas, os doutores, os pastores, as curas, os prodígios. Trouxe-nos à vida, destruiu a morte, triunfou sobre aquele que nos tinha vencido, deu-nos a Aliança prefigurativa, a Aliança verdadeira, os carismas do Espírito Santo, o mistério da nova salvação. […]

Deus enche-nos de bens espirituais, se quisermos recebê-los, e não hesita em vir em auxílio dos necessitados. Tu dá sobretudo àquele que te pedir, até antes que ele te peça, dando sem cessar a esmola da doutrina espiritual. […] Se não tiveres esses dons, propõe-lhe pelo menos serviços mais modestos: dá-lhe de comer, oferece-lhe roupa que já não uses, fornece-lhe medicamentos, liga-lhe as chagas, pergunta-lhe pelas suas provações, ensina-lhe a paciência. Aproxima-te dele sem medo. Não há perigo de ficares mal ou de contraíres a sua doença. […] Apoia-te na fé; que a caridade triunfe sobre as tuas reticências. […] Não desprezes os teus irmãos, não fiques surdo aos seus apelos, não fujas deles. Sois membros de um mesmo corpo (cf 1Cor 12,12s), mesmo que ele tenha sido atingido pela desgraça; tal como Deus, não esqueças o clamor dos infelizes (Sl 9,13).

São Gregório de Nazianzo (330-390)
Sermão sobre o amor dos pobres
Fonte: Evangelho Cotidiano

 
 

Não há comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager