Portal Ecclesia
A Igreja Ortodoxa Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Calendário litúrgico bizantino Galeria de Fotos Seleção de ícones bizantinos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Links relacionados Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas Contate-nos
 
 
Loading
Suplemento Litúrgico para os Domingos e Grandes Festas  Domingo, 20 de Outubro de 2019:
 
 
 

«6° Domingo de Lucas»

(18º depois de Pentecostes - Modo 1º)

Memória de Santo Artêmio, megalomártir

Matinas

Evangelho

[JO 20: 1-10]

Evangelho de Jesus†Cristo, segundo o Evangelista São João.

aquele tempo, no primeiro dia da semana, Maria Madalena vai ao sepulcro, de madrugada, quando ainda estava escuro e vê que a pedra fora retirada do sepulcro. Corre, então, e vai a Simão Pedro e ao outro discípulo, que Jesus amava, e lhes diz: "Retiraram o Senhor do sepulcro e não sabemos onde o colocaram". Pedro saiu, então, com o outro discípulo e se dirigiram ao sepulcro. Os dois corriam juntos, mas o outro discípulo correu mais depressa que Pedro e chegou primeiro ao sepulcro. Inclinando-se, viu as faixas de linho por terra, mas não entrou! Então, chega também Simão Pedro, que o seguia, e entra no sepulcro; vê as faixas de linho por terra e o sudário que cobrira a cabeça de Jesus. O sudário não estava com os panos de linho no chão, mas enrolado em lugar à parte. Então entrou também o outro discípulo que chegara primeiro ao sepulcro: e viu e creu. Pois ainda não tinham compreendido que, conforme a Escritura, ele devia ressuscitar dos mortos. Os discípulos, então, voltaram para casa.

Divina Liturgia

Apolitikion da Ressurreição (Modo 1º)

Embora a pedra fosse selada pelos judeus,
e teu imaculado Corpo fosse guardado pelos soldados,
ressussitaste ao terceiro dia, ó Salvador,
dando a vida ao mundo.
Por isso, as potências celestes exclamaram, ó Autor da vida:
«Glória à tua ressurreição, ó Cristo!
Glória à tua realeza,
glória à tua providência, ó Filântropo!»

(Em Grego)

Του λίθου σφραγισθέντος υπό των Ιουδαίων,
και στρατιωτών φυλασσόντων το άχραντον σου σώμα,
ανέστης τριήμερος Σωτήρ,
δωρούμενος τω κοσμώ την ζωήν.
Δια τούτο αι δυνάμεις των ουρανών
εβόων σοι ζωοδότα.
Δόξα τη αναστάσει σου Χριστέ,
δόξα τη βασιλεία σου,
δόξα τη οικονομία σου, μόνε φιλάνθρωπε.

Hino à Mãe de Deus

Ó Admirável e Protetora dos cristãos e nossa Medianeira do Criador
não desprezes as súplicas de nenhum de nós pecadores,
mas apressa-te em auxiliar-nos como Mãe bondosa que és,
pois te invocamos com fé: roga por nós junto de Deus,
tu que defendes sempre aqueles que te veneram.

Prokimenon (Modo 1º)

Desça sobre nós, Senhor, a tua misericórdia
conforme nossa esperança em Ti.

Exultai, ó justos, no Senhor,
pois aos retos convém o louvor.

Epístola

[2COR 9:6-11]

Segunda Epístola do Apóstolo São Paulo aos Coríntios.

rmãos, sabei que quem semeia com parcimônia, com parcimônia também colherá, e quem semeia com largueza, com largueza também colherá. Cada um dê como dispôs em seu coração, sem pena nem constrangimento, pois Deus ama a quem dá com alegria. Deus pode cumular-vos de toda espécie de graças, para que tenhais sempre e em tudo o necessário e vos fique algo de excedente para toda obra boa, conforme está escrito: Distribuiu, deu aos pobres. A sua justiça permanece para sempre. Aquele que fornece semente ao semeador e pão para o alimento vos fornecerá também a semente e a multiplicará, e fará crescer os frutos da vossa justiça. Sereis enriquecidos de todos os modos, para praticar toda espécie de obras de generosidade, que suscitarão a ação de graças a Deus por nosso intermédio. Pois o serviço desta coleta não deve apenas satisfazer às necessidades dos santos, mas há de ser ocasião de efusivas ações de graças a Deus. Vista a vossa comprovada virtude exercida nesse serviço, eles darão glória a Deus pela obediência que professais em relação ao Evangelho de Cristo, e pela generosidade com que a eles e a todos fazeis participar dos vossos bens.

Aleluia (Modo 1º)

Aleluia, aleluia, aleluia!

O Senhor te ouça no dia da tribulação;
te proteja o nome do Deus de Jacó!
Aleluia, aleluia, aleluia!

Salva, Senhor, o teu povo
e abençoa a tua herança!
Aleluia, aleluia, aleluia!

Evangelho

[LC 8: 26-39]

Santo Evangelho de Jesus†Cristo, segundo o Evangelista São Lucas.

aquele tempo, navegaram em direção à região dos gerasenos, que está do lado contrário da Galileia. Ao pisarem terra firme, veio ao seu encontro um homem da cidade, possesso de demônios. Havia muito que andava sem roupas e não habitava em casa alguma, mas em sepulturas. Logo que viu a Jesus começou a gritar, caiu-lhe aos pés e disse em alta voz: "Que queres de mim, Jesus, filho do Deus Altíssimo? Peço-te que não me atormentes". Jesus, com efeito, ordenava ao espírito impuro que saísse do homem, pois se apossava dele com frequência. Para guardá-lo, prendiam-no com grilhões e algemas, mas ele arrebentava as correntes e era impelido pelo demônio para os lugares desertos. Jesus perguntou-lhe: "Qual é o teu nome?" - "Legião", respondeu, porque muitos demônios haviam entrado nele. E rogavam-lhe que não os mandasse ir para o abismo. Ora, havia ali, pastando na montanha, numerosa manada de porcos. Os demônios rogavam que Jesus lhes permitisse entrar nos porcos. E ele o permitiu. Os demônios então saíram do homem, entraram nos porcos e a manada se arrojou pelo precipício, dentro do lago, e se afogou. Vendo o acontecido, os que apascentavam os porcos fugiram, contando o fato na cidade e pelos campos. As pessoas então saíram para ver o que acontecera. Foram até Jesus e encontraram o homem, do qual haviam saído os demônios, sentado aos pés de Jesus, vestido e em são juízo. E ficaram com medo. As testemunhas então contaram-lhes como fora salvo o endemoninhado. E toda a população do território dos gerasenos pediu que Jesus se retirasse, porque estavam com muito medo. E ele, tomando o barco, voltou. O homem do qual haviam saído os demônios pediu para ficar com ele; Jesus, porém, o despediu , dizendo: "Volta para tua casa e conta tudo o que Deus fez por ti". E ele se foi proclamando pela cidade inteira tudo o que Jesus havia feito em seu favor.

ste episódio é também narrado por Mateus (8, 28-34) e por Marcos (5, 1-20). Os três evangelistas dão maior ênfase a duas situações distintas: a) o encontro de Jesus com um homem atormentado por uma fúria de violência e de morte; b) o gesto libertador que o reintegra na dignidade humana. Inserem este episódio no ciclo dos milagres com a intenção de demonstrar o poder extraordinário de Jesus, que se revela numa região pagã, em favor de um homem dominado pelo espírito impuro.

Este tema é proposto de maneira expressiva na descrição do endemoniado, o homem que habita no meio dos túmulos, isto é, numa zona impura, estranha ao mundo social, sujeito à fúria e à violência descontrolada. Estes dois traços caracterizam a força demoníaca como poder de morte e de destruição desagregadora da dignidade e liberdade humana.

Também o encontro do endemoniado com Jesus e a cena dos porcos entram nesta perspectiva. A tentativa do demônio de se subtrair ao poder de Jesus proclamando sua identidade secreta, conjurando-o a não expulsá-lo daquela região, entra no esquema literário do exorcismo.

Também a pergunta sobre a identidade daquele que se apossava, feita por Jesus, está em sintonia com este tema. Os diversos elementos que são utilizados pelo evangelista para dar relevo ao poder de Jesus, diante do espírito, que se declara legião, isto é, força organizada para a completa destruição, contrasta com a força da simples palavra imperativa de Jesus.

O episódio dos porcos talvez tenha sido construído sobre uma lembrança conservada pela população da margem oriental do lago. Não é só um típico elemento de exorcismo, onde o espírito maligno deixa de maneira espetacular a sua vítima, mas na atual narração corresponde à finalidade geral do evangelista: a força de destruição e morte, que caracteriza o espírito é rechaçada no seu ambiente pela Palavra.

A reação da gente do lugar diante do acidente dos porcos entra na lógica dos fatos: Jesus é um estrangeiro perigoso e imprevisível. A rejeição de Jesus por parte da população que habita a margem oriental do lago serve ao evangelista para estabelecer um contraste: de um lado, Jesus que domina e expulsa a força do espírito do mal, do outro, os homens que, para defender seus interesses, expulsam Jesus de sua região.

O homem reintegrado na sua dignidade e liberdade humana vale menos que a proteção dos interesses econômicos. Em outras palavras, o poder demoníaco tem sua raiz mais perigosa e secreta, sua zona privilegiada de manifestação, no âmbito da liberdade humana que está disposta, para a defesa de seu privilégio e poder, a negociar sobre a dignidade e integridade do outro homem. Mas naquele ambiente pagão, escravo do medo, Jesus deixa um sinal vivente, uma testemunha do poder libertador de Deus. Ele é o primeiro enviado da missão aos pagãos.

Fonte:

CARVAJAL, Francisco F. «Falar com Deus». São Paulo, Ed. Quadrante, 1991.

 

Homilia de S.E.R. Dom Tarasios, Arcebispo Metropolitano, na Divina Liturgia celebrada na Igreja de São João, o Teólogo, São José – SC, em 24/10/2010

este sexto domingo de Lucas, nosso Senhor Jesus Cristo nos recorda a expulsão de demônios que Ele realizou na pessoa do geraseno.

Atentamente escutamos o Evangelho que nos narra este fato acontecido naquele tempo. Quais as primeiras palavras que escutamos saídas da boca do endemoniado? Disse: “Jesus, Filho do Deus Altíssimo”. Contudo, não era ele quem falava, senão os demônios que nele habitavam. Os espíritos imundos imediatamente reconheceram e testemunharam a divindade de Jesus Cristo.

À pergunta que lhes fez o Senhor “como se chamavam?”, responderam: “Legião”. Usaram a palavra “Legião” para que todos pudessem entender que eles eram muitos. Assim como era a legião romana composta por 6.000 soldados. Os espíritos malignos temiam que Jesus, o Senhor os mandassem de volta às profundezas onde anteriormente muitos deles estavam encarcerados. Por isso suplicavam para entrar na manada de porcos que ali estava. Jesus, nosso Deus, assim permitiu, e aquele homem sofredor, pertencente à raça humana, ficou totalmente livre.

Meus queridos filhos e filhas espirituais: que significa esta passagem? Claramente, nos mostra que Jesus, o Cristo, é Deus, no Céu e na Terra, em todo lugar visível e invisível. Nos mostra também que o Deus de amor, de ternura, de compaixão, ao ver a sua criatura, feita por Suas mãos, sendo escravizada, sob o poder das trevas, rompe as pesadas correntes e lhe dá a liberdade plena, consciente, como disse o Evangelho, o geraseno estava em seu juízo perfeito, sentado aos pés do Senhor.

O geraseno recuperado de sua mente e de seu coração, pelo poder de Deus, pediu ao Senhor que o admitisse entre os seus discípulos. Contudo Jesus lhe disse: “volta a tua casa e conta o que Deus fez por ti”.

Com muita clareza, as Sagradas Escrituras nos ensinam e nos fazem recordar outras palavras do Senhor: “muitos são chamados, poucos os escolhidos!”

Assim, nem toda pessoa que recebe, pelo poder de Deus, uma cura, uma libertação e a salvação é chamado a servi-Lo e a servir sua Igreja como Diácono, Presbítero ou Bispo. A escolha para exercer o ministério sacerdotal deve estar de acordo com a Vontade de Deus.

Sem dúvida, todos somos chamados de muitas maneiras a servi-Lo e de nossa parte devemos estar presentes e responder a este chamado do Senhor. Não podemos ficar sentados, imóveis, ignorando a voz do Mestre.

Neste tempo em que vivemos, como acontecia com o geraseno, vemos no mundo muitos sofredores que vivem em plena obsuridade de mente e coração; cegos pelos maus desejos, tomados pela paixão. Seus “demônios interiores”os governam quais marionetes no palco da vida. Semelhante ao geraseno, vivem nas tumbas construídas por eles mesmos, fechados em seus egoísmos, em suas “verdades” e em seu cinismo. Talvez, até muitos tenham escutado a Palavra de Deus, a única e real Verdade, porém como nos fez recordar as leituras do domingo passado na Parábola do Semeador, ficam sem germinar, no meio do caminho, ou secam! E, evidentemente, aquele que nunca dorme e nem descansa, isto é o maligno, aproveita estas oportunidades para sussurrar em seus ouvidos e lhes afastar cada vez mais de Deus.

Não obstante, ainda há tempo para resgatá-los; não estão totalmente perdidos, como muitos supunham sobre o geraseno. Não! Chegou o tempo de dar testemunho, como o fez o geraseno obedecendo ao pedido do Senhor. Todos, junto com o clero, trabalhemos, com a graça e ajuda de Deus, proclamando, anunciando, ensinando e testemunhando a Palavra salvadora do Senhor. Nossa Mãe a Igreja que nos orienta, nos ensina e nos instrue, nos dá as ferramentas necessárias para sair ao mundo e combater o poder das trevas que qual fera raivosa ainda golpeia e derruba a muitos.

Porém não basta, meus queridos filhos e filhas espirituais, escutem bem, não basta apenas ter boa disposição, vontade, tempo e dedicação em querer fazer muito pelos outros. Se assim fosse, digam-me vocês: qual rei ou general que comanda um exército, lançaria à batalha soldados novos e inexperientes para a luta?

Sobre isto, o grande general chinês Sun Tzu ensinou em seu livro a arte de guerrear e vencer o inimigo (texto que é muito estudado nas grandes escolas militares). Da mesma forma, também em nossa Igreja, devemos nos preparar e ensinar aos outros para combater e derrotar exitosamente as trevas, portando a espada da Palavra de Deus, iluminando todos que andam cegos pelo mundo, tropeçando e inclusive perdendo suas vidas e almas, e o mais grave, a Salvação e o Reino dos Céus.

Como disse anteriormente, que Nosso Senhor Jesus Cristo, nos sustente e nos ajude com sua Graça para poder cumprir fielmente a missão encomendada por Ele e que sejamos vitoriosos como nosso Deus o é: Ιησούς Χριστός νικά. Amém!

REFERÊNCIAS:

BÍBLIA – Bíblia de Jerusalém (Nona Edição Revista e Ampliada). São Paulo: Paulus, 2013.

 

Voltar à página anterior Topo da página  
NEWSIgreja Ortodoxa • Patriarcado Ecumênico • ArquidioceseBiblioteca • Sinaxe • Calendário Litúrgico
Galeria de Fotos
• IconostaseLinks • Canto Bizantino • Synaxarion • Sophia • Oratório • Livro de Visitas