Portal Ecclesia
A Igreja Ortodoxa Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Calendário litúrgico bizantino Galeria de Fotos Seleção de ícones bizantinos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Links relacionados Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas Contate-nos
 
 
Loading
A Igreja Ortodoxa no Brasil e no mundo
 
 
 

Sua Beatitude STEPHANOS

A Igreja de Estônia

Metropolita STEPHANOS
de Tallin y Toda Estônia

(Eleito em 1999)

SEDE EPISCOPAL:

Tallin, Estônia
Web site: http://www.orthodoxa.org/

A Igreja Ortodoxa de Estônia (sob o Patriarcado Ecumênico)

s estônios caíram sob o domínio sueco por volta do século XVI e logo adotaram o luteranismo de seus conquistadores. Pedro, o Grande, conquistou a região para Rússia no início do século XVII e, sob o domínio russo, especialmente no século XIX, um significativo número de estônios se converteu à fé ortodoxa. Deste modo, uma grande comunidade ortodoxa se estabeleceu em Estônia.

Catedral da Transfiguração - séc. XIV - antigo convento dominicano. O iconostase foi oferecido pela Imperatriz Catherine II
O Metropolita Meliton da Filadélfia, secretário do Santo Sínodo de Constantinopla

Depois da derrocada do Czar em 1917 a Estônia proclamou sua independência sendo reconhecida pelas autoridades soviéticas em 1920. Como conseqüência da independência da Estônia e das perseguições à Igreja Ortodoxa na União Soviética, o bispo ortodoxo russo, Alexander de Tallin, requereu a proteção do Patriarcado de Constantinopla que o acolheu sob sua jurisdição. Em 7 de julho de 1923 o patriarca Meletios IV de Constantinopla aceitou oficialmente a Igreja da Estônia, concedendo, por sua vez, status de Igreja Autônoma. O bispo Alexander foi nomeado metropolita de Tallin e toda a Estônia.

Em 1940 a Igreja da Estônia contava com aproximadamente 210 mil fiéis, 3 bispos, 156 paróquias, 131 sacerdotes, 19 diáconos, 2 monastérios e 1 seminário. A maior parte dos fiéis ortodoxos era constituída de estônios.

Em 1940 a União Soviética anexou a Estônia. Os alemães ocuparam o país durante grande parte da II Guerra Mundial, até a reconquista do território por parte das tropas soviéticas em 1944. O metropolita Alexander, com 23 de seus sacerdotes, tiveram de buscar exílio em Estocolmo quando o novo poder se instalou em Estônia. A Igreja se estabeleceu em Estocolmo e permaneceu unida ao Patriarcado Ecumênico de Constantinopla, dando assistência a uns 10 mil estônios exilados em vários países.

A morte do metropolita Alexander, ocorrida em 1953, fez com que o patriarca ecumênico consagrasse um novo bispo ortodoxo estônio, de nome Jurivalbe, para que governasse a Igreja Estônia sediada na Suécia. Depois de sua morte, em 1961, as paróquias estônias foram postas sob o omofórion dos bispos locais do Patriarcado Ecumênico. A Igreja Ortodoxa da Estônia foi assumida pelo Patriarcado de Moscou, como era costume das autoridades da época.

Em 1978, atendendo solicitação da Igreja Russa, o Patriarcado Ecumênico declarou sem efeito o documento pelo qual concedia o status de autonomia que, em 1923 havia outorgado a Igreja Ortodoxa da Estônia. Devido às mudanças demográficas ocorridas na era Soviética, a maioria dos ortodoxos da República da Estônia, no início da década de 90 eram etnicamente russos.

Logo após a desintegração da União Soviética e da nova declaração de independência da Estônia, em 1991, uma disputa se desenvolveu no seio da comunidade ortodoxa local, entre os que desejavam permanecer sob o Patriarcado de Moscou e os que pretendiam retomar a autonomia perdida da Igreja da Estônia, sob a proteção de Constantinopla.

Não alcançando nenhum êxito as árduas negociações entre os dois patriarcados, o de Moscou e o de Constantinopla, em 20 de fevereiro de 1996 o Santo Sínodo do Patriarcado de Constantinopla reconsiderou a suspensão da autonomia de 1923 e, por este ato, a Igreja da Estônia voltava a ficar sob sua jurisdição. Também foi nomeado nesta época o arcebispo João da Finlândia como chefe "locum tenens" (interino) da Igreja, deixando pendente para mais tarde a eleição de um primado.

A reação do Patriarcado de Moscou a este fato foi bastante dura, chegando mesmo a romper relações com o Patriarcado de Constantinopla, retirando dos dípticos o nome do Patriarca Ecumênico nos ofícios litúrgicos.

Em 09 de março de 1999, um congresso da Igreja Ortodoxa Autônoma da Estônia se reuniu em Tallin para discutir o fato de ainda não terem um hierarca (primado) residente no próprio país. O arcebispo João da Finlândia, o "locum tenens", presidiu a reunião na qual também se fizeram presentes os representantes do Patriarcado. O Congresso reconheceu que, não havendo um candidato estônio para assumir a direção da Igreja, teriam que recorrer ao Patriarcado sugerindo o nome do bispo Stephanos de Nazianzus (bispo auxiliar da Metrópole Grega Ortodoxa da França, com residência em Niza) para ocupar o dito cargo.

Em 13 de março de 1999, o Santo Sínodo do Patriarcado Ecumênico acolheu este requerimento e elegeu o bispo Stephanos como metropolita de de Tallin e toda a Estônia. O Santo Sínodo pediu ao novo metropolita que reorganizasse diligentemente a Igreja e que supervisionasse a formação de um episcopado estônio local.

Em meados de 1999 a Igreja da Estônia contava com 58 paróquias e cerca de 7 mil membros respondendo ao metropolita Stephanos.

Cabe ainda destacar a presença de 30 paróquias e cerca de 70 mil fiéis bem como uma comunidade monástica que optaram por permanecer sob a jurisdição do Patriarcado de Moscou, na Diocese de Tallin.

Centro Eclesiástico São Platão em Tallinn O Patriarca Bartolomeu na Estônia de 3 a 5 julho de 2003 no Simpósio sobre o Mar Báltico O Patriarca Bartolomeu na Estônia de 3 a 5 julho de 2003 no Simpósio sobre o Mar Báltico
O Patriarca Bartolomeu com o clero na bênção da Capela de São Platão O Patriarca Bartolomeu com o clero na bênção da Capela de São Platão O Patriarca Bartolomeu com o clero na bênção da Capela de São Platão De 26/10 a 1/11/2000: Patriarca Bartolomeu visita Estônia
TALLINN 7 Julho de 2003. Celebração dos 80 anos de autonomia da Igreja de Estônia. Festival de Música Religiosa. TALLINN 7 Julho de 2003. Celebração dos 80 anos de autonomia da Igreja de Estônia. Festival de Música Religiosa. TALLINN 7 Julho de 2003. Celebração dos 80 anos de autonomia da Igreja de Estônia. Festival de Música Religiosa. TALLINN 7 Julho de 2003. Celebração dos 80 anos de autonomia da Igreja de Estônia. Festival de Música Religiosa.
TALLINN 7 Julho de 2003. Celebração dos 80 anos de autonomia da Igreja de Estônia. Festival de Música Religiosa. TALLINN 7 Julho de 2003. Celebração dos 80 anos de autonomia da Igreja de Estônia. Festival de Música Religiosa. TALLINN 7 Julho de 2003. Celebração dos 80 anos de autonomia da Igreja de Estônia. Festival de Música Religiosa.
Entrega do bastão pastoral, costume tradicional do Patriarcado Ecumênico a um primaz de uma Igreja Local. O ícone entregue pelo Pe. Ardalion é o presente da Igreja de Finlândia ao novo Metropolita      

Fonte:

Pro-ortodoxia

Tradução do Espanhol por: Pe. André Sperandio, hieromonge

Fotos: website: http://www.orthodoxa.org/

Voltar à página anterior Topo da página
NEWSIgreja Ortodoxa • Patriarcado Ecumênico • ArquidioceseBiblioteca • Sinaxe • Calendário Litúrgico
Galeria de Fotos
• IconostaseLinks • Canto Bizantino • Synaxarion • Sophia • Oratório • Livro de Visitas