«Eu sou o Bom Pastor. O bom pastor dá a vida pelas suas ovelhas.» Pilatos viu este Pastor; os judeus também O viram, a ser conduzido à cruz pelo seu rebanho, como tinha sido claramente anunciado pelo coro dos profetas muito antes da Paixão: «Como cordeiro levado ao matadouro, como ovelha muda ante os tosquiadores» (Is 53,7). Ele não recusa a morte, não foge ao julgamento, não afasta os que O crucificam.

Ele não sofreu a Paixão: quis a Paixão, pelas suas ovelhas. Tenho o poder de dar a minha vida, afirmara, e de a retomar. Ele destruiu o sofrimento pelo sofrimento da sua Paixão, a morte pela sua morte. Por meio do seu túmulo, abriu os túmulos. Abalou o local de repouso dos mortos, fazendo saltar os respetivos ferrolhos. Os túmulos estavam selados e a prisão fechada; até que o Pastor desceu à mansão dos mortos para aí anunciar a libertação às suas ovelhas que estavam adormecidas (cf 1Pe 3,19). Ao chegar, deu ordem aos mortos de saírem dali e renovou o apelo à vida: «O bom pastor dá a vida pelas suas ovelhas»: é assim que Ele procura o amor das suas ovelhas. Aquele que ama a Cristo é o que sabe ouvir a sua voz.


Basílio de Selêucia (?-c. 468),
Homilia 26, sobre o Bom Pastor; PG 85, 299
Fonte: Evangelho Cotidiano

 
 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager