O Senhor adverte-nos de que as belas palavras e os comportamentos amáveis devem ser julgados pelos frutos que produzem. Devemos, pois, apreciar as pessoas, não por aquilo que se propõem com as palavras, mas pelo que são realmente, pelos seus atos. Muitas vezes, sob uma aparência de ovelha dissimula-se uma raiva de lobo (Mt 7, 15). E, da mesma maneira que os espinhos não produzem uvas, nem os espinheiros figos, […] assim também, diz-nos Jesus, não é em belas palavras que consiste a realidade das boas obras, mas todos os homens devem ser julgados pelos seus frutos (vv. 16-18).

Não, um serviço que se limite a belas palavras não basta para obter o Reino dos céus. Pois com que se articularia uma santidade limitada a belas palavras, se o caminho do Reino dos céus se encontra na obediência à vontade de Deus?

Temos pois de nos empenhar, se queremos alcançar a felicidade eterna. Temos de dar alguma coisa de nós mesmos: querer o bem, evitar o mal e obedecer de todo o coração aos preceitos divinos. Tal atitude valer-nos-á ser reconhecidos por Deus como filhos. Por isso, adequemos os nossos atos à sua vontade, em vez de nos glorificarmos no seu poder. Porque Ele afastará e rejeitará os que se tiverem apartado dele pela iniquidade dos seus atos.


Santo Hilário de Poitiers (c. 315-367),
Comentários sobre S. Mateus 
Fonte: Evangelho Cotidiano

 
 

No comments

Be the first one to leave a comment.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager