Independentemente das funções que tiverem, os irmãos devem mostrar-se caridosos e alegres uns para com os outros. O que trabalha falará assim do que reza: «O tesouro que o meu irmão possui também eu o tenho, pois é-nos comum.» Por seu lado, o que reza dirá do que lê: «O benefício que ele tira da leitura enriquece-me a mim também». E o que trabalha dirá ainda: «É no interesse da comunidade que eu cumpro este serviço».

Os muitos membros do corpo formam um só corpo, e mutuamente se amparam, cumprindo cada um a sua tarefa. O olho vê por todo o corpo; a mão trabalha pelos outros membros; o pé, ao caminhar, a todos leva; e cada membro sofrerá desde que um outro esteja a sofrer. Eis como os irmãos se devem comportar uns para com os outros (cf. Rm 12, 4-5). O que reza não julgará o que trabalha por este não rezar. O que trabalha não julgará o que reza […]. O que serve não julgará os outros. Pelo contrário, cada um deles, seja o que for que faça, agirá para a glória de Deus (cf. 1Co 10,31; 2Co 4,15) […].

Assim, grande concórdia e serena harmonia formarão «o vínculo da paz» (Ef 4,3), que os unirá entre si e os fará viver com transparência e simplicidade, sob o olhar benevolente de Deus. O essencial, evidentemente, é perseverar na oração. Aliás, uma coisa só é requerida: cada um deve possuir em seu coração esse tesouro que é a presença viva e espiritual do Senhor. Quer trabalhe, quer ore ou leia, deve cada um poder pensar intimamente que está de posse desse bem indestrutível que é o Espírito Santo.  

São Macário (?-405), monge no Egito
Terceira Homilia, 1-3; PG 34, 467-470 (a partir da trad. Orval)
Fonte:
Evangelho Cotidiano

 

Tags: , , , ,

 

Não há comentários

Seja o primeiro a deixar um comentário.

Post a Comment


 
 
 

Pesquisar neste site

Web manager