Portal Ecclesia
A Igreja Ortodoxa Atualizações e notícias Seleção de textos Subsidios homiléticos para Domingos e Grandes Festas Calendário litúrgico bizantino Galeria de Fotos Seleção de ícones bizantinos Clique aqui para enviar-nos seu pedido de oração Links relacionados Clique para deixar sua mensagem em nosso livro de visitas Contate-nos
 
 
Biblioteca Ecclesia
 
 
 
«Soldados cristãos reparando as muralhas de Constantinopla
supervisionados por Constantino XI, uma cena constante durante o cerco»

A Quarta Cruzada:
a cruzada bandida de 1204

papa João Paulo II, seguindo sua política de reaproximação com as demais religiões organizadas da Terra, em cerimônia realizada no Vaticano no final de novembro de 2004, devolveu as santas relíquias de mártires da Igreja Cristã Ortodoxa ao patriarca ecumênico. Relíquias estas que haviam sido roubadas do interior da Igreja de Santa há 800 anos passados, por ocasião do saque a que soldados cristãos, embarcados em Veneza, haviam submetido à cidade de Constantinopla. Episódio vergonhoso da cristandade que somente acelerou ainda mais a separação das duas igrejas, a católica e a ortodoxa, situação que se prolonga por oito séculos.

A imponência de Constantinopla

«O saque de Constantinopla pelos cavaleiros cristãos (12-15 de abril de 1204)»

Nos primeiros anos do século 13, Constantinopla, a capital do Império Bizantino, orgulhava-se de ser vista como a cidade mais rica do mundo. Dizia-se que 2/3 da riqueza universal passava pelo seu amplo porto e pelas mãos dos seus comerciantes, ativos em meio a uma fervilhante população de um milhão de habitantes. Era um exagero. Mas não era o fato dela ser, para inveja de Roma, a cidade cristã que mais acumulara relíquias sagradas. Desde que o imperador Constantino, convertido à fé de Cristo, fizera dela, no ano de 330, a sede da nova religião, seus funcionários espalhados por boa parte da Ásia Menor não cessaram mais de remeter-lhe todo e qualquer tipo de lembrança que pudesse estar relacionada a Cristo e aos Apóstolos.

Assim, em poucos anos, Constantinopla tornou-se um imenso bazar do sobrenatural. Até a Verdadeira Cruz, encontrada por Helena, a mãe de Constantino, e sagrada por Macário, o patriarca de Jerusalém, estava exposta na Catedral de Santa (Hagia ). A isso somavam-se os santos ossários, relicário composto pelos restos de mártires do cristianismo. Entre eles, o de São João Crisóstomo, morto em 407, orador assombroso, justamente apelidado de "o boca-de-ouro", inimigo da imperatriz Eudoxia.

Por isto, a cidade hospedava um sem-fim de peregrinos vindos de todos os cantos do Ecúmeno cristão, e que, ultrapassando a Porta Dourada, despejavam rios de dinheiro no comércio local.

Graças a uma astuta política que combinava diplomacia com grossos subornos, Constantinopla escapou do destino de Roma, ocupada a partir do século 5 por uma maré de bárbaros. O que não podia esperar é acabar sendo invadida por cavaleiros cristãos vindos da Europa, gente da sua mesma fé.

A trama contra Constantinopla

De fato, uma impressionante coligação de forças terminou por desabar sobre a infeliz capital da cristandade oriental no ano de 1204. O Papa Inocêncio III conclamara a nobreza européia a retomar Jerusalém (nas mãos de Saladino, desde 1187), o imperador do Sacro Império queria a submissão da cidade para fazer dela um Império latino, os barões franceses viram-na como um fabuloso butim antes de seguir na cruzada e, por último. O doge de Veneza, Enrique Dándolo, um enérgico octogenário, desejava eliminá-la como rival comercial e açambarcar-lhe o grande mercado asiático controlado por ela.

«O saque de Constantinopla»

E tudo começara quando os cavaleiros cruzados - liderados por Balduíno, Conde de Flandres, e por Bonifácio, Marquês de Montferrant -, pegos sem dinheiro com suas tropas acampadas na ilha do Lido, em Veneza, tiveram que aceitar o desvio da nobre missão sugerido pelo doge Dándolo. Ao invés de resgatarem Jerusalém por uma incursão pelo Egito, como era o plano original, aceitaram incursionar contra Constantinopla para pagar as dívidas à Veneza (mais de 30 mil marcos de prata). Como primeira missão, foram constrangidos a retomar para Veneza o porto de Zara, no litoral Adriático (hoje na Croácia e que havia sido ocupada pelo rei da Hungria, um cristão).

O pretexto a que se prenderam, tanto os nobres franceses como seus sócios venezianos, que formavam o grosso da expedição de mais de 150 navios e galeras - a justificativa que encontraram para que cristãos atacassem uma metrópole cristã -, em total desvirtuamento com o espírito da cruzada (que era combater o Islã para controlar os Santos Lugares), era reparar a injustiça feita com o príncipe Alexis Angelos, que tivera seu pai, o basileu Isaac II, deposto e preso por um irmão, que entronara-se no Palácio Bucoleon como Alexis III (o príncipe bizantino Alexis Angelos prometera mundos e fundos aos cruzados, quando estes por fim o colocaram no poder, por ocasião da primeira conquista da cidade, em 17 de julho de 1203, ele deu-se conta que não podia pagá-los, visto que o tesouro real estava vazio ).

O cronista desta infeliz cruzada de bandidos, Geoffrey de Villehardouin, Marechal da Champanha, (autor de Memórias ou Crônica da Quarta Cruzada e a Conquista de Constantinopla), assegurou que nada daquilo fora premeditado. As coisas foram acontecendo ao acaso e os homens deixaram-se envolver pelas obrigações imediatas. Como se dera com os cruzados franceses que, comprometidos a assegurarem 85 mil marcos de prata à Veneza para pagarem os custos da viagem até o Egito, tiveram que, como se viu acima, aceitar uma mudança do roteiro original, pois somente haviam levantado 50 mil marcos de prata, insuficientes para cobrir as despesas do translado de 33.500 soldados e cavalos para o Oriente Médio.

O primeiro passo em falso dado por eles foi ter atendido ao doge Dándolo para que recuperassem Zara, um porto cristão, para Veneza. Cometido o primeiro desvio, seguiu-se um outro, bem maior.

A pilhagem de Constantinopla

«...Como devo eu começar a relatar as proezas cometidas por tais homens nefandos! Arre. As imagens, as quais temos o dever de adorar, foram arremetidas ao chão! Arre, as relíquias dos santos mártires foram atiradas sobre lugares imundos! Foi doloroso ver e com tremor ouvir, o divino corpo e o sangue de Cristo, esparramado .... pelo chão. Eles despedaçaram os preciosos relicários e colocaram os ornamentos que lá continham dentro das suas bolsas e, precursores do Anti-Cristo, usaram as partes remanescentes como taças e copos..... Cristo foi roubado e insultado e Suas roupas divididas por sorteio.... Ninguém pode violar a Grande Igreja ( Hagia ).» Nicetas Choniates - O Saque de Constantinopla, 1204.

«O assalto à cidade de Constantinopla
(12 de abril de 1204)»

Tomada de assalto a cidade pela segunda vez em 12 de abril de 1204, depois de um assédio de poucos dias, latinos e gregos, ambos lados rogando por um empenho salvador de Jesus Cristo, engalfinharam-se pelas ruas e praças da capital, à sombra de impressionantes incêndios que devastavam a cidade. O imperador Alexis IV fugira miseravelmente deixando-a entregue ao despotismo da soldadesca. Tudo foi pilhado e roubado. A catedral de Santa , igrejas, capelas, palácios e edifícios públicos, bibliotecas, livrarias, lojas, os bazares, foram por três dias seguidos arrasados pela fúria desatada das tropas invasoras. Os chefes cruzados e o doge tiveram dificuldade em encontrar três igrejas ainda inteiras para poderem usá-las como local da partilha do enorme espólio. Isto numa cidade onde não havia rua sem uma capela. Poucas vezes assistira-se na história uma inversão tão completa de objetivos: a luta pela fé tornara-se uma enorme operação de banditismo, os cruzados viraram facínoras.

Niceta Chroniates, o historiador grego que testemunhou o desastre, assegurou que "nem meretrizes, nem pecadores com suas culpas, nem os ministros das fúrias ou os servos do demônio, nem mesmo os envenenadores... insultaram a Cristo e o trono do Patriarca (chefe da Igreja Ortodoxa)" de um modo tão obsceno e profano como eles o fizeram. Em valores atuais ainda é impossível calcular-se o montante do roubo promovido pelos cavaleiros cristãos. Seguramente as jóias e o ouro seriam avaliados em bilhões de dólares (*).

Dado que o príncipe Alexis fora morto por estrangulamento nos começos de 1204 e o outro imperador fugira, deixando o trono vago, os gregos, além de se verem espoliados pelos cruzados, foram obrigados a avassalarem-se a um monarca estrangeiro, um francês. Num parlamento formado por apenas 12 votantes (o número dos apóstolos), os cruzados elegeram Balduíno, Conde de Flandres como o novo rei de Constantinopla. Com o titulo oficial de Imperator Romaniae, ele foi coroado em 16 de maio de 1204 na Catedral de Santa , formado-se deste modo o Império Latino do Oriente. Situação que se estendeu até 1261, quando Miguel VIII Paleólogo, derrubando Balduíno II, o derradeiro monarca latino, conseguiu recuperar o controle da cidade de volta para os gregos.

Por um bom tempo, de 1204 a 1261, a cristandade então conheceu a existência de três impérios romanos: o Sacro Império no Ocidente; o Império Latino em Constantinopla e seus arredores; e a continuidade do Império Bizantino nas partes gregas e orientais.

O assalto à Constantinopla e a orgia de violência que se seguiu, ocorrido há 800 anos atrás, envenenou para sempre as relações entre os dois hemisférios da cristandade: o ocidental e o oriental. É esta brecha irreparável que o papa João Paulo II tentou diminuir devolvendo os santos ossários ao Patriarca ortodoxo.

(*) É de difícil entendimento para o homem dos nosso dias a obsessão dos cruzados europeus pelas relíquias. Ocorre que, talvez mais ainda do que o ouro, elas eram importantíssimas não só devido ao seu peso simbólico que os ligava a Cristo ou à Terra Santa, mas também pelo valor material delas. Uma relíquia qualquer posta em exposição numa igreja ou numa capela de uma pequena cidade européia atraia levas de visitantes, o que significava dinheiro para todos os moradores da localidade. Relíquias, por vezes, rendiam bem mais do que ouro ou rubi.


Fonte:

Educaterra

O cronograma da IV Cruzada

1198: O Papa Inocêncio III proclama a 4.ª cruzada, que será pregada por Foulques de Neuilly e dirigida por Bonifácio I de Montferrat e Balduíno IX de Flandres.
1200 Verão: Os barões reunidos em Compiègne nomeiam seis representantes, entre os quais Godofredo de Villehardouin, para negociar com a República de Veneza o transporte dos cruzados até à Terra Santa.
1201 Início: Tratado entre os cruzados e a República de Veneza, para o transporte de 33.500 combatentes até à Palestina, por 85.000 marcos de prata.
1201 24 de Maio: Thibaud III de Champagne morre. A 4.ª cruzada perde um dos seus principais chefes.
Agosto Bonifácio, marquês de Monferrat, é escolhido para comandante da expedição.
1202 Verão: cruzados chegam a Veneza. Os combatentes e o dinheiro não são suficientes para cumprir o tratado acordado no ano anterior. O doge veneziano Enrico Dándolo propõe a tomada da cidade de Zara, como pagamento do transporte dos cruzados.
Novembro: Conquista e pilhagem de Zara na costa ocidental dos Balcãs, na Dalmácia.
1203 Janeiro: Os cruzados recebem uma embaixada de Aleixo Ange, filho do imperador bizantino destronado Isaac ll. Em nome daquele propõem aos cruzados que reponham o basileus no trono em troca de uma ajuda financeira e material para prosseguir a cruzada.
17 de Julho: Primeira conquista de Constantinopla. O Imperador Isaac ll é restaurado.
1 de Agosto: Aleixo Ange é proclamado imperador associado, com o nome de Aleixo IV, e pede aos cruzados que prolonguem a sua estadia por mais um ano, para fortalecer a sua posição.
1203-1204 Inverno: As relações entre Francos e Bizantinos degradam-se sensivelmente, devido à falta de cumprimento do prometido por Aleixo IV.
1204 Fevereiro: Assassínio de Aleixo IV, sendo o pai deste afastado. Aleixo Doukas «Murzuphle», faz-se proclamar imperador, mas também não cumpre as promessas feitas aos cruzados por Aleixo IV.
12 de Abril: Segunda tomada de Constantinopla pelos Francos. Pilhagem da cidade e massacre da população.
9 de Maio: Balduíno IX da Flandres é eleito imperador do Oriente. Torna-se Balduíno I de Constantinopla, dando origem ao Império Latino do Oriente.
1205 Abril: Morte de Amaury ll, rei de Jerusalém. Maria, filha de Isabel e de Conrado de Montferrat torna-se rainha. Devido a só ter 14 anos, a regência é confiada ao seu tio João de Ibelin, senhor de Beirute.
1210 14 de Setembro: João de Brienne casa com Maria de Monferrat, rainha de Jerusalém. A 3 de Outubro o casal é consagrado enquanto rei e rainha de Jerusalém na catedral de Tiro.
1212 Cruzada das crianças: Milhares de rapazes e raparigas embarcam em Marselha. Os armadores dirigem-nos para Alexandria onde são vendidos como escravos.
  Uma coligação de forças cristãs vindas de todos os estados hispânicos, derrota os muçulmanos na Batalha de Navas de Tolosa. O reino almóada da Hispânia, existente desde 1145, desaparece.

Fonte:

AAVV, As Cruzadas (1096-1270), Lisboa, Pergaminho, 2001
Tate, George, L'Orient des Croisades, Paris, Gallimard («Découvertes»), 1991
Heers, Jacques, O Mundo Medieval, Lisboa, Edições Ática, 1976

 
 

 

A Cronologia das Cruzadas

«Linha do tempo»

Juliana Tiraboschi

1095: O imperador bizantino Aleixo I Comneno pede auxílio ao papa Urbano II contra uma ameaça de invasão turca.
Novembro, 26: O papa Urbano II faz um apelo para que os soldados partam para o Oriente a fim de ajudarem outros cristãos a livrarem-se do jugo muçulmano. Milhares de nobres, cavaleiros e plebeus partem rumo à Terra Santa para recuperar Jerusalém.
1096: Tem início a Primeira Cruzada, a única realmente bem- sucedida.
1098 Antioquia é tomada pelos cruzados.
1099: Chega ao fim a Primeira Cruzada com a tomada de Jerusalém pelos cruzados. O duque de Lorena é escolhido como o rei da Terra Santa. São criados os Estados de Trípoli (no atual Líbano), Antioquia (na atual Síria) e Edessa (atualmente Urfa, na Turquia).
1114: Os muçulmanos reconquistam Edessa, desencadeando a Segunda Cruzada, chefiada pelo rei da França e imperador da Alemanha. Vitória para os muçulmanos, que mantêm controle do território
1187: Jerusalém é tomada pelo sultão do Egito, Saladino, resultando na Terceira Cruzada, liderada por Filipe da França, Ricardo Coração de Leão, da Inglaterra e o imperador da Alemanha. Mais uma vez os ocidentais foram derrotados.
1202: Começa a Quarta Cruzada, que nem chegou perto da Terra Santa. Os cruzados chegam a Constantinopla, pilham e tomam a cidade, além de estabelecer o domínio latino na Grécia. Termina em 1204.
1210: Milhares de jovens de 13 anos para baixo, homens e mulheres, vão para o Oriente conduzidos por um padre francês, que acredita que pode conseguir o poder sem o uso de armas. O movimento, conhecido como Cruzada das Crianças, acabou em tragédia: a maioria dos participantes morreu pelo caminho ou foi parar em mercados escravos do norte da África .
1228: A Sexta Cruzada foi relativamente pacífica, marcada pelas negociações de trégua entre cristãos e muçulmanos. Jerusalém é entregue aos cruzados, mas em 1244 os muçulmanos retomam o poder
1248: Luís IX, rei da França, retoma seu antigo projeto de conquistar o Egito, local estratégico para alcançar o domínio da Palestina. Começa a Cruzada de São Luís. Uma demora na decisão de atacar o Cairo deu tempo para os muçulmanos se prepararem. Quando retomaram a marcha para a cidade, os cruzados foram derrotados em 1250 e Luís IX é preso.
1250: Motivado pela prisão do rei, surge um movimento popular na Europa com o objetivo de resgatá-lo, a Cruzada dos Pastores. Porém, os cruzados se envolvem em pilhagens e a missão fracassa.
1251: Luís IX é libertado e vai para a Síria. Durante quatro anos reconstruiu as forças cristãs para atacar Jerusalém. Ele volta à França para o funeral de sua mãe, regente da França, a Sétima Cruzada termina sem ter alcançado nenhum resultado.
1268: Os muçulmanos conquistam Antioquia, a última grande cidade oriental na mão dos cristãos. Luís IX volta a participar da Oitava Cruzada, mas recebe pouco apoio e muitas críticas. A Cruzada dirige-se para a Tunísia. Uma epidemia não identificada mata centenas de cruzados e seu líder, Luís IX, canonizado posteriormente, em 1297. São Luís era um dos poucos que ainda acreditam nas Cruzadas, e sua morte sepulta de vez os anseios dos cruzados, fazendo os sobreviventes voltarem para a França.
1291: Os católicos perdem seu último território na Síria, a cidade de Acre. O papado continua a pregar novas cruzadas, mas encontra poucos adeptos.
Voltar à página anterior Topo da página
NEWSIgreja Ortodoxa • Patriarcado Ecumênico • ArquidioceseBiblioteca • Sinaxe • Calendário Litúrgico
Galeria de Fotos
• IconostaseLinks • Canto Bizantino • Synaxarion • Sophia • Oratório • Livro de Visitas